Só derrota – Charlie Brown Jr

Foram-se os tempos em que era bom escutar a grande banda Charlie Brown Jr. Os grandes shows e a performance do Chorão nos palcos são passado, passado este que nos revela como uma banda boa pode regredir na escala musical onde a nota mais alta é 10 e a mais baixa é “Parece Beatles”.

Pra quem não sabe ou não lembra, eu vou recapitular a história do grupo, desde o começo, lá em 1987. Neste ano o nosso herói juvenil chamado Alexandre Magno se mudou para Santos, o garoto vinha de uma família humilde e trabalhadora, viveu uma infância triste e extremamente traumática, nessa época ele passou a se interessar pela pratica do skate, que é o que gente que fracassou em tudo faz, nosso camarada como cantor era um ótimo atleta.

Um certo dia, em um bar, o vocalista de uma banda precisou deixar o palco por motivos de diarreia frenética e colossal, como não havia mais ninguém que ocupasse seu lugar, jogaram o microfone na mão do Chorão e foi aí que tudo começou.

Após esse momento, Alexandre Magno descobria o seu talento, uma pessoa da plateia o viu no vocal e o convidou para cantar em uma banda, assim ele conheceu Champignon, um baixista de apenas 12 anos, eles fizeram uma enorme amizade e logo decidiram montar seu próprio grupo que se chamaria Whats’ Up. Esta foi a ideia precursora do que seria o Charlie Brown Jr, um skatista e uma criança, tem como dar certo?

Logo eles chamaram na sequência os integrantes Renato Pelado, Marcão e Thiago Castanho, concluindo então a formação original.

Em 1992, nosso amigo Chorão, provavelmente alucinado, viu um passarinho cor de arco-íris, em uma tentativa frenética de tentar capturar o passarinho ele bateu de frente em uma barraca de água de coco que levava como desenho o cachorro Snoop da animação de TV. Em uma conversa com esse cachorro, Chorão descobriu o que significava metanfetamina, mas isso fica pra outra história. Como a banda ainda não tinha um nome descente eles acharam digno colocar Charlie Brown (Nome dado ao dono do cão Snoop) e Jr por que eles se consideravam os filhos do Rock… Até Molejão é mais filho do Rock que Charlie Brown Jr.

Uma fita demo foi entregue a Rick Bonadio, o mesmo produtor de Mamonas Assassinas (Se você quer reclamar com alguém, esse alguém é o Rick). O empresário musical investiu na banda e fez com que eles gravassem seu primeiro disco, vendendo aproximadamente 500 mil cópias e disparando nas rádios com várias musicas de sucesso como “Me lambe” e “Mulher de fases”.

Em 1999 a musica “Te Levar” passou a ser a abertura de Malhação, o que irritou os fãs que gostavam das bandas underground, sim, esses mesmos fãs de PC Siqueira e Felipe Neto que não gostam de vê-los fazendo sucesso. Logo depois acontece a primeira briga, no fim de 2000 o Thiago Castanho deixa o grupo.

Podemos pular agora direto para 2005, já que estamos focando no Chorão e toda a cagada que rolou. Nessa época todos os integrantes da banda deixaram o Alexandre na mão, eles alegaram divergências musicais, algo como “Esse cara tá gastando a grana da banda toda em pó”. Assim, algo bom, piorou, e piorou muito, muito mesmo… Com uma nova formação, Charlie Brown Jr deixou de produzir aquelas musicas com uma pegada mais pesada e passou a ser uma banda com letras melosas e sem sentido, quando a banda voltou a sua formação original todos esperavam que tudo voltasse a ser como era, mas o esquema só piorou… Outra vez.

O auge da aleatoriedade aconteceu com a musica Só os loucos sabem, nessa fase você já percebia que já não dava pra esperar muita coisa, um refrão sem nexo e um clipe com tudo que precisa pra ser ruim: Um carro conversível, um solo de violão, um boné de aba reta e um cara aparentemente viciado em drogas pesadas com um físico protuberante e excessivo em gordura. Você tem a impressão de que em qualquer momento o Chorão vai ter uma parada cardíaca causada por entupimento nas artérias.

Só um trechinho da música aqui pra vocês lembrarem:

“Toda positividade eu desejo a você
Pois precisamos disso nos dias de luta
O medo segue os nossos sonhos
O medo segue os nossos sonhos
Menina linda, eu quero morar na sua rua”

Bravo… BRAVO!

Nessa mesma época as brigas entre o Chorão e o Champignon aumentaram, inclusive em um show o vocalista ofendeu abertamente o baixista, que deixou o palco e não voltou mais aquela noite, por que tantas ofensas? Só os loucos sabem.

E então, em 2013 o inesperado acontece… A morte de Alexandre Magno causada por, olha só, overdose de cocaína. Chorão entrou em depressão, fez uma ultima musica chamada “Meu Novo Mundo”, usou muita droga, bebeu muito refrigerante, fez uns kickflips com o skate dentro de casa, espalhou lençóis por cima de televisões e pensou “Aqui atrás do sofá é um ótimo lugar pra acabar minha carreira”. Certamente algo de errado aconteceu, Chorão fará falta? Sim, mas a minha maior preocupação é com o que vem agora, a banda “A banca” com o Champignon no vocal.

Este texto não é uma critica ao cantor Alexandre Magno, e sim a esse seu jeito de viver, ninguém nunca foi igual, a minha vida é fazer o bem vencer o mal, POKÉMON.

Autor: IgorSeco

Post Relacionado:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *